Google+ Followers

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Padre Miguel nome de uma estação de trem ou escola de samba?

                                           

Padre Miguel, nome conhecido por todos os cariocas pela escola de samba, foi o primeiro monumento de gratidão de uma comunidade a um padre.

                                        

Miguel de Santa Maria Mochon, o Padre Miguel nasceu em 1879, foi ordenado sacerdote em 29 de junho de 1908 na Espanha, ficou famoso pelos trabalhos comunitários realizados na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Realengo, por cerca de 40 anos. Foi considerado o maior benemérito da região, após a ter sido desmembrada de Realengo em meados do século 20.

Espanhol da Aldeia de Dilar, na Catalunha, Padre Miguel chegou a Realengo com apenas 19 anos. O físico franzino não impediu que tivesse uma vida intensa em favor dos pobres, semeando escolas, creches e bibliotecas.

O trabalho rendeu prestígio político. Assistente religioso dos Cadetes da antiga Escola Militar do Realengo, conheceu muitos generais. Amigo do Presidente Getúlio Vargas, obteve dele a instalação de um posto da Legião Brasileira de Assistência. O Ministro de Viação e Obras Pública, General Juarez Távora, resolveu dar o nome à Padre Miguel a estação vizinha a de Realengo, já que esse estava estabelecida pelos moradores.

Nomeado em 1910 como primeiro vigário da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Realengo, foi um reformador da Igreja e criador da primeira Escola Regular da Região, estendendo suas viagens de catequização aos engenhos de N. Sra. da Conceição da Pavuna e do Botafogo, pelo chamado "Caminho do Padre".

Segundo aqueles que escreveram a sua biografia, ele paciente e resignado, previu aos 67 anos a sua morte para o dia 19 de março, solenidade de São José, patrono da Igreja, do qual era devotíssimo. No dia, uma multidão, nas primeiras horas, foi até a igreja para saber notícias do Padre, e constataram a sua morte, resultando em grande consternação.

O testamento deixado por Padre Miguel, datado de 7 de março de 1947, doze dias antes da sua morte, era comentado e refletido por todos: “Nasci pobre, vivi pobre e morro pobre; sou um pobre pecador. Ultimamente, devido a minha enfermidade, eu me tornei neurastênico e malcriado; a todos peço perdão; o que recebi gastei com a Igreja e com os pobres”.

Como hábito da época foi sepultado na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a qual tanto se dedicou.

Após sua morte, pelo Decreto nº 9.314, de agosto de 1948, a praça em frente a Igreja passou a ter a denominação de Praça Padre Miguel.


No ano seguinte, foi inaugurado o monumento, no dia 8 de setembro de 1948, obra do escultor P. Mazzuchelli, como um ato de gratidão do povo, para ser reconhecido por todos os moradores da região.

Veja a ficha cadastral:
http://www.inventariodosmonumentosrj.com.br/index.asp?iMENU=catalogo&iiCOD=951&iMONU=Padre%20Miguel