Google+ Followers

domingo, 14 de novembro de 2010

Praça São Salvador – Chafariz de Sauvageau, a Fonte

Das obras francesas de Val d’Osne no Rio de Janeiro, o chafariz da Praça São Salvador, no bairro de Laranjeiras, é um dos mais belos da cidade. Instalado ali provavelmente em 1903, quando foi construído o jardim no centro do qual a obra fora posicionada, pelo que indica o projeto.

                                 



Do conjunto, somente a escultura feminina, datada de 1862, é obra de Louis Sauvageau. As demais são peças sem assinatura, escolhidas do catálogo de Val d’Osne e fundidas sob encomenda.

Compondo o chafariz, crianças sobre golfinhos sustentam uma bacia bastante ornamentada. Sobre ela, vê-se a beleza da face e do gesto de uma figura a derramar água de um cântaro, elementos que realçam sua delicadeza.

                                      

                                                 

Na cidade temos uma outra escultura idêntica a essa, localizada no Jardim Botânico. Essas peças são as únicas obras de Sauvageau no Rio de Janeiro, aonde chegaram provavelmente entre 1883 e 1885.


O que intriga nessa história é um outro registro fotográfico, que mostra a mesma escultura em um quarto local da cidade, descrito como sendo a Quinta da Boa Vista. Na foto, a peça aparece sobre um pedestal e decorada por dois animais alados, os Grifos, que hoje estão próximos ao portão do Parque Guinle. Com isso, ficam algumas questões. Seria esta a mesma escultura que hoje está no Jardim Botânico? Se sim, por que foi para lá? E onde foi parar seu pedestal? As peças do Val d’Osne nunca ficavam em contato direto com o solo, para evitar uma forte corrosão do material.


Portanto, supõe-se que uma dessas duas peças de Sauvageau esta desde sua origem na Praça São Salvador, em Laranjeiras, onde se encontra agora. Supõe-se também que a outra peça esteve primeiro na Quinta da Boa Vista, para depois ser levada para sua localização atual, o Jardim Botânico. Mas são apenas suposições. Faltam registros históricos que esclareçam a trajetória de ambas as peças de Sauvageau, idênticas, fundidas a partir de um mesmo molde.

Garantido a preservação do conjunto da Praça São Salvador, o chafariz foi tombado pelo INEPAC (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural) no processo E-18/001.553/98 de 10 de dezembro de 1998 e pelo Município, pelo Decreto nº 19011 de 5 de outubro de 2000.







Veja detalhes do conjunto neste vídeo da Praça São Salvador: